Strikeforce Carano vs Cyborg: Resultados do card principal

Alexandre Matos

16 de agosto de 2009

Carano vs Cyborg Strikeforce PosterOntem o MMA viveu um dia histórico. Apesar do crescimento, o esporte ainda sofre muitos preconceitos por ser violento. Para ajudar a derrubar mais este mito, pela primeira vez no MMA um grande evento teve uma edição cuja luta principal da noite foi feminina. O Strikeforce mostrou a americana Gina Carano, considerada a maior estrela do MMA feminino mundial (muito por conta de sua beleza) e apontada pelo portal Yahoo! como a quinta mulher mais influente do mundo (atrás apenas de Angelina Jolie, Sarah Pallin, Oprah Winfrey e Hillary Clinton), enfrentando a brasileira Cristiane Cyborg pelo cinturão da entidade, mostrando que o esporte é para todos, inclusive para mulheres.

A noite histórica ainda teve a disputa de mais duas lutas válidas por cinturão. Entre os meio-pesados, o campeão Renato Babalu encarou o duríssimo armênio Gegard Mousasi, enquanto o campeão interino dos leves, Gilbert Melendez, enfrentou o japonês Mitsuhiro Ishida. Completou o card principal o combate de pesados entre o brasileiro Fabricio Werdum e o americano Mike Pyle.

    Cristiane Santos (BRA) venceu Gina Carano (EUA) por nocaute técnico (4:59, R1)

Strikeforce Cristiane Cyborg derrotou Gina Carano

Este combate, considerado o mais importante da história do MMA feminino, deveria ter acontecido pelo EliteXC, mas a falência do evento adiou a luta. O adiamento fez a luta valer pelas novas regras, que definiram que lutas válidas por cinturões femininos também passam a ser disputados em cinco rounds. A luta foi pobre tecnicamente, mas disputada em altíssima intensidade, deixando o público presente enlouquecido.

Vestindo um top da Chute Boxe, Cris começou querendo mostrar que estava pronta para a guerra. Com o início da luta, a brasileira já partiu em seu estilo feroz para pressionar Carano com socos. Com a luta no clinch na grade, a brasileira puxou Gina para baixo. Cyborg caiu na guarda levando socos, mas tentou uma chave de tornozelo. A americana conseguiu se soltar, mas Cris pegou as costas, tentou um estrangulamento e passou a socar no ground and pound. Mostrando um ritmo muito intenso, num estilo que lembra o próprio marido Evangelista, Cyborg levantou e disparou socos e chutes, pressionando Carano contra a grade. A americana saiu da grade, mas Cris cinturou e a levou novamente para o chão. Desta vez a americana caiu na montada completa e foi a vez dela aplicar o GnP sobre a brasileira. Depois de um belo soco que atingiu em cheio o rosto da brasileira, Carano se levantou e chamou a luta para o stand up. Depois de hesitar um pouco, Cyborg aceitou o convite e levou novamente a luta para o clinch na grade. Àquela altura era difícil imaginar que a luta se manteria naquele nível de intensidade por cinco rounds. De volta à trocação, Carano conseguia manter a distância com um boxe bem encaixado, mas Cyborg acertou uma direita. A americana tentou chutar, mas foi bloqueada e ainda recebeu dois socos pesados com sua perna travada pela brasileira. Novamente no clinch, Carano mostrava cansaço e era vítima de socos. No centro, a americana encaixou um superman punch (ou seria supergirl?). Cyborg continuava na caça, forçando Gina a andar para trás. Depois de levar um soco forte, Carano foi posta para baixo ridiculamente, mas a brasileira permitiu que ela se levantasse. Muito mais forte, Cris encaixava uppers, diretos e cruzados na trocação. Novamente no clinch, Gina não conseguiu uma cotovelada e a luta diminuiu o ritmo frenético. Cyborg conseguiu outra queda, caindo na meia-guarda da americana, de onde tentou uma americana, defendida por Carano. Faltando 15 segundos, Cris partiu para um GnP furioso. Carano não se defendia mais e a brasileira conseguiu o nocaute técnico quando o ábritro interrompeu a luta no mesmo momento que a sirene soou finalizando o round.

    Gegard Mousasi (ARM) venceu Renato Sobral (BRA) por nocaute técnico (1:00, R1)

Strikeforce Gegard Mousasi nocauteou Renato Babalu com facilidade

Esta foi outra luta afetada pela falência de um evento. Babalu e Mousasi estavam agendados para se enfrentar no dia 1º de agosto, pelo Affliction: Trilogy. O Strikeforce incorporou a luta e a transformou na disputa pelo cinturão, que estava de posse do brasileiro.

Que o jovem Mousasi é o melhor prospecto que apareceu no MMA entre as categorias acima de médio, não é novidade para muitos. Mas a facilidade encontrada pelo armênio na sua estreia em território americano para derrotar um lutador tão experiente quanto Babalu chamou a atenção.

Com um ar blasé de quem aparentava não estar muito preocupado com o que poderia vir, Mousasi começou a luta tomando o centro do octógono. O primeiro movimento ofensivo saiu quando ambos tentaram chutes baixos simultaneamente. Mousasi tentou um chute no corpo que foi bloqueado por Babalu, que travou no clinch. Aqui tivemos a primeira surpresa: num campo onde Babalu deveria dominar, o armênio disparou alguns socos e quedou o campeão com extrema facilidade, caindo por cima e partindo para o ground and pound. Pressionado contra a grade, Babalu foi alvo fácil de uma saraivada de socos que obrigaram o lendário árbitro “Big” John McCarthy a interromper a luta.

Enquanto o novo campeão dos meio-pesados circulava no octógono, Babalu recebia atendimento e parecia em estado de semi-inconsciência. Mousasi agora domina a aliança entre M-1 e Strikeforce com os cinturões do DREAM e Strikeforce. O armênio mostra que tem tudo para ser um superastro e mostrar que há vida no MMA fora do UFC.

    Fabricio Werdum (BRA) venceu Mike Pyle (EUA) por finalização com guilhotina (1:24, R1)

Strikeforce Fabricio Werdum finalizou Mike Kyle

O brasileiro tentava reencontrar o caminho das vitórias depois do surpreendente nocaute contra o compatriota Junior Cigano, que lhe custou o contrato com o UFC. Seu adversário vinha de vitória sobre o brasileiro Rafael Feijão como meio-pesado, na última edição do Strikeforce. Mas Werdum nem precisou trabalhar muito.

A luta até que começou movimentada, com Kyle já tentando disparar socos de saída. Werdum manteve a compostura e tentou pegar as pernas, mas o americano defendeu. Depois de manter o adversário distante com um chute baixo, Werdum tentou chutar, mas Kyle defendeu e empurrou o brasileiro contra a grade. Com um chute no rosto, Werdum mostrou habilidade e se safou de uma posição que poderia lhe causar prejuízo. Com um jab e um direto que entraram justos, Kyle atordoou o brasileiro, que explodiu num single-leg para deixar a luta em sua zona de conforto. Werdum socou o americano que estava na guarda, mas isso quase lhe custou uma chave de braço. Melhor no chão, o brasileiro conseguiu escapar do golpe e Kyle tentou voltar ao stand up, mas foi pego numa guilhotina justíssima, que o obrigou a bater e desistir.

Quem escreve

Alexandre Matos

Editor-chefe do MMA Brasil, responsável pela idealização e construção do site.

Alexandre Matos já publicou 1460 matérias no MMA Brasil

2 Comentários em "Strikeforce Carano vs Cyborg: Resultados do card principal"

  1. Júlio disse:

    Quem ganhou a luta das mulheres?
    Cheguei no Rio a pouco.Abraço,

Assine o feed dos comentários

Deixe seu comentário

*

Desenvolvido por Fernando Acosta